Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
23.6 C
Remanso, BR
13 de dezembro de 2018
Remanso News
  • Home
  • Destaque
  • Bolsonaro sofreu novas ameaças nos últimos 15 dias, diz general
Destaque Política

Bolsonaro sofreu novas ameaças nos últimos 15 dias, diz general

Sérgio Etchegoyen, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, alertou para risco de atentado

Em uma comemoração pelo aniversário de 80 anos do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) nesta segunda-feira, o atual ministro da pasta, general Sérgio Etchegoyen, defendeu cautela e “cuidados mais intensos” nas decisões relacionadas à posse e segurança do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Segundo ele, o futuro presidente sofreu novas ameças nos últimos 15 dias.

“Eu posso te falar que até 15 dias houve mais ameaças sim. Em relação ao desfile em carro aberto, essa decisão ainda não foi tomada. Óbvio que a segurança sempre assessora, mas a decisão será do presidente”, respondeu

O general destacou que é uma situação que “exige mais cuidado”.

“Nós temos um presidente que sofreu um atentado, que vem sofrendo agressões frequentes, basta ver nas redes sociais, e a quem tem de ser dado a garantia das melhores condições de governo. Certamente a segurança do presidente eleito exigirá cuidados mais intensos. Eu presidiria tudo com cautela”, afirmou Etchegoyen.

O evento ocorreu no Palácio do Planalto e contou com a presença do futuro ministro do GSI, general Augusto Heleno, que ao final da cerimônia elogiou a atual gestão do ministério e sinalizou que, pelo menos no início do novo governo, não deve haver muitas trocas de nomes na pasta:

“Não tem também muita coisa para mexer. Vocês viram aí o prestígio do GSI, as inúmeras missões, a necessidade da proximidade do GSI com o presidente, então isso me preocupa muito mais do que mexer em gente. No nosso meio, tanto GSI quanto ministério da Defesa, são dois ministérios que já vinham bastante arrumados”, defendeu Augusto Heleno.

O general do Exército Luiz Fernando Estorilho Baganha será o responsável por chefiar a segurança do presidente eleito Jair Bolsonaro a partir do dia 1º de janeiro, quando ele tomar posse. A indicação dele foi citada e confirmada na manhã desta segunda-feira pelo atual ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen.

“A segurança do presidente é da Secretaria de Coordenação e Segurança, que é o general Moreno hoje mas já tem até substituto nomeado, que é o general Baganha. E certamente a segurança do presidente eleito e da nova administração exigirá cuidados mais intensos e precisos”,  afirmou Etchegoyen após um evento no Palácio do Planalto.

Baganha assumirá o cargo de Secretário de Segurança e Coordenação Presidencial, pasta que é ligada ao GSI. Hoje o posto é ocupado Nilton Moreno, que também é general.

Baganha é o atual Diretor de Avaliação e Promoções do Exército Brasileiro. Nasceu em Curitiba mas ingressou na carreira de militar no Rio de Janeiro, em 1983.

Por Agência Globo

Posts relacionados

Bahia é um dos últimos estados a emitir CNH digital

Redação Remanso News

Em Salvador, Haddad diz esperar crescer ‘3 ou 4’ pontos com apoio de Ciro

Redação Remanso News

Ministro cochila várias vezes durante discurso de Temer em Conferência

Redação Remanso News

Casal de prefeitos investigado por fraudes se apresenta à PF em Porto Seguro

Redação Remanso News

Prefeito de Canudos é reeleito Presidente do Constesf

Redação Remanso News

Ministério Público Federal pede prisão de Ministro de Saúde por não fornecer canabidiol

Redação Remanso News

Deixe um comentário