Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
27.3 C
Remanso, BR
24 de janeiro de 2019
Remanso News
  • Home
  • Destaque
  • Bandidos invadem terreiro, roubam e batem em pai de santo
Destaque

Bandidos invadem terreiro, roubam e batem em pai de santo

Ato ocorreu na Casa do mensageiro (Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare), em Barra do Pojuca

A noite era destinada ao pai de todos os orixás. O culto sagrado à Oxalá do Terreiro Ilê Axé Ojisé Olodumare, de Barra do Pojuca, na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, foi invadido por seis homens armados na noite deste sábado (12). O pai de santo (babalorixá) da casa e um fotógrafo foram agredidos com uma coronhada na cabeça, cada. Integrantes do terreiro relatam que os bandidos chegaram a tentar roubar celulares de pessoas que estavam incorporadas.

A festa, aberta ao público, era a primeira do ano realizada no terreiro. Além dos próprios membros do Ilê Axé Ojisé Olodumare, os convidados também foram assaltados e um carro foi levado pelo grupo. Durante a abordagem, os seis homens proferiram palavras contrárias à religião do candomblé.

“Eles falaram que aqui não deveria ter essa religião, que somos todos do demônio, tentaram pegar até mesmo o celular das pessoas que estavam incorporadas com orixás. A gente fica com uma consternação de saber que mesmo estando no seu espaço sagrado, que você não tem segurança e nem encontra apoio da comunidade local”, disse Daisy Santos, iaô da casa.

O Babalorixá Rychelmy Imbiriba e o fotógrafo – que não teve o nome divulgado – e que registrava a festa foram levados para a emergência e tiveram que levar pontos no rosto por conta da coronhada que receberam na cabeça. Testemunhas relataram ao CORREIO que pessoas idosas que estavam no local chegaram a passar mal durante a ação e alguns dos orixás passaram mal e foram assistidos após a ação.

“Eles mandaram todo mundo deitar no chão. Os orixás não deitaram, eles ordenaram que eles ficassem sentados. Chegaram a levantar as roupas dessas pessoas para ver se tinha celular. A gente avisava que eles estavam incorporados, mas eles continuavam e diziam que a gente nem deveria estar ali”, relatou a iaô Muana Simões.

Durante ação, os invasores também roubaram ferramentas e instrumentos sagrados dos orixás da casa. O babalorixá foi agredido enquanto tentava falar com os bandidos que eles não precisariam de uma força tão ostensiva e que os presentes iriam entregar os pertences a eles sem agressão.

O terreiro emitiu uma nota de pesar, onde afirma que o ocorrido foi um ato de intolerância religiosa e lembra da perseguição que a religião teve do Estado e da polícia. “Hoje (sábado), durante a cerimônia pública em louvor a Osalá, nossa casa foi invadida por bandidos armados que além de levar os pertences dos presentes (Egbé e convidados) profanaram a nossa fé, desrespeitaram nosso espaço sagrado, o nosso culto e agrediram o fisicamente o Babà Rychelmy Esutobi”, relata a nota.

Veja vídeo divulgado pelo terreiro:

View this post on Instagram

Em nome do Babalorixá Rychelmy Imbiriba e todo Egbé do Ilê Axé Ojisé Olodumare viemos através dessa nota relatar mais um caso de violência e intolerância religiosa que infelizmente acometeu nossa família neste sábado (12.01.19). Hoje, durante a cerimônia pública em louvor a Osalá, nossa casa foi invadida por bandidos armados que além de levar os pertences dos presentes (Egbé e convidados) profanaram a nossa fé, desrespeitaram nosso espaço sagrado, o nosso culto e agrediram o fisicamente o Babà Rychelmy Esutobi. Nesse momento, lembramos do quanto a nossa religião foi duramente perseguida pelo Estado e pela polícia. É impossível não lembrar do nosso ancestral, nosso avô Pai Procópio de Ogunjá que tanto foi perseguido como alvo de violência policial. E, apesar de toda perseguição se manteve firme na fé e seguindo na religião. Hoje somos alvo da violência que assola toda a nossa sociedade, acrescida da violência religiosa. Apesar de todo ocorrido estamos bem e continuaremos contritos em nossa fé conforme nossos antepassados nos ensinaram. Pedimos desculpas aos presentes na festa por terem vivido esse momento de aflição em nosso espaço que tanto remete a paz e segurança. Tomaremos as providências cabíveis para que fatos como esse não mais ocorram em nosso Ilê Axé. Atenciosamente, Família Ojisé.

A post shared by Casa Do Mensageiro (@casadomensageiro) on

“Hoje somos alvo da violência que assola toda a nossa sociedade, acrescida da violência religiosa. Apesar de todo ocorrido estamos bem e continuaremos contritos em nossa fé conforme nossos antepassados nos ensinaram. Pedimos desculpas aos presentes na festa por terem vivido esse momento de aflição em nosso espaço que tanto remete a paz e segurança. Tomaremos as providências cabíveis para que fatos como esse não mais ocorram em nosso Ilê Axé”, acrescenta o terreiro na nota.

O caso está sendo acompanhado pela delegacia de Monte Gordo. O CORREIO ligou para o local, que afirmou que o caso se trata de um assalto, que os seis homens estavam armados e que eles fugiram após a ação. A Polícia Militar afirmou, em nota, que não tem registros da ação.

“Quando passa fica mais desesperador. Na hora, eu fiquei mais tranquila porque tinha que dar suporte aos orixás e as pessoas que vieram visitar o centro. Depois que a gente vê a gravidade. Eu fiquei muito assustada”, disse Muana Simões

Os membros do terreiro irão registrar o caso no Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, no Ministério Público da Bahia e entrar em contato com a prefeitura de Camaçari.

Apesar do culto à Oxalá ser o primeiro do ano, ele é o último do ciclo do candomblé. Agora, o terreiro irá parar suas atividades e só retornar em abril, quando a primeira festa de um novo ciclo é realizada. “Vamos aproveitar esse tempo para tomar as medidas cabíveis também. Isso não pode ficar assim e acaba que ficamos inseguros de continuar nos festivos”, lamentou Daisy Santos.

O terreiro tem 15 anos de história, mas está no local há quatro anos. Neste tempo, a casa nunca sofreu atos de intolerância religiosa, mas os integrantes relatam que sempre sofrem preconceito ao andar pela localidade. “A gente acaba movimentando a economia daqui, então eles meio que aceitam, né? Mas como nós andamos com as roupas brancas, as guias e eles acabam não gostando, falando coisas”, detalhou Daysi.

‘A casa tem aproximadamente 15 anos, ela é de raiz de Pai Procópio de Ogunjá, que foi feito no santo em Natal mas veio para cá e primeiro ficou no Ilê Axé Ofonjà, na Bonocô. O local foi escolhido porque tem uma reserva atrás, um local de contato com a natureza. A casa é de Oxum’, afirmou Daysi

Intolerância só cresce
Nos últimos seis anos, os crimes de intolerância religiosa cometidos na Bahia aumentou 2.250%, de acordo com dados da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial da Bahia (Sepromi). Somente entre 2017 e 2018, o acréscimo foi de 124%.

De 2013, quando foi criado, até o dia 3 de janeiro, o Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, registrou 153 casos de intolerância, 272 de racismo e 57 ocorrências relacionadas ao tema. Do total dos registros de intolerância religiosa, 16 correspondem a ataques a terreiros.

As violações a patrimônios e monumentos religiosos são consideradas casos de discriminação ou preconceito religioso, tipificados na lei 9.459, de 1997, que trata justamente dos crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Segundo a coordenadora do órgão, Nairobi Aguiar, o crescimento dos casos se deve ao aumento da intolerância na sociedade e à maior procura pelo órgão. No entanto, para ela, há indícios claros de que muitos casos não são registrados:

“Muita gente não registra as ocorrências porque não acredita nos órgãos da Justiça ou porque tem medo, e aqueles que procuram a delegacia, muitas vezes, registram o caso como invasão de patrimônio. Não entendem que foram vítimas de intolerância religiosa”, explica.

Correio

Posts relacionados

Justiça manda pagar abonos do Pis/Pasep não sacados nos últimos 5 anos

Redação Remanso News

Bispo Macedo fez uma só pergunta sobre Xuxa; saiba qual

Redação Remanso News

Uso do FGTS para consignado só deve sair em setembro

Redação Remanso News

Remanso: Liquida Real Calçados Começa nesta quinta-feira(28)

Redação Remanso News

Dois irmãos são assassinados a tiros na malhadinha zona rural de Remanso

Redação Remanso News

Justiça cassou 33 prefeitos baianos em oito anos

Redação Remanso News

Deixe um comentário