Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
23.6 C
Remanso, BR
15 de novembro de 2019
Remanso News
  • Home
  • Brasil
  • Por reforma, governo renegocia dívida rural no Norte e Nordeste
Brasil

Por reforma, governo renegocia dívida rural no Norte e Nordeste

A renegociação dessas dívidas de crédito rural foi autorizada em lei de setembro de 2016, mas os produtores reclamavam que havia pontos a serem esclarecidos, e o novo decreto, portanto, resolve essa questão/ Foto: Honório Barbosa

Para aumentar os votos favoráveis à proposta de reforma da Previdência, o governo resolveu facilitar a renegociação de dívidas de pequenos e médios produtores rurais do Norte e Nordeste. A medida atende principalmente a bancada do Nordeste, segundo apurou a reportagem.Decreto publicado na edição desta terça do Diário Oficial da União (DOU) afasta pontos nebulosos para a renegociação de dívidas de até R$ 200 mil dos produtores rurais no âmbito das superintendências de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam). 

A renegociação dessas dívidas de crédito rural foi autorizada em lei de setembro de 2016, mas os produtores reclamavam que havia pontos a serem esclarecidos, e o novo decreto, portanto, resolve essa questão.

Segundo explicou o diretor executivo da Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra (Andaterra), Jeferson da Rocha, alguns produtores conseguiram renegociar suas dívidas e outros, não, por falta de regulamentação de questões como o índice de atualização para o saldo devedor.”Há pontos da norma que ficaram obscuros. O que se pretende fazer é com que essa lei de fato seja implementada, ande e funcione”, disse. 

Na avaliação de Rocha, com a publicação do decreto os produtores poderão ter acesso pleno ao texto da lei e, nos termos da norma, conseguirem os descontos para a renegociação.

Disputa

Interlocutores da bancada ruralista avaliam que a medida poderá gerar uma certa disputa interna, com os produtores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com problemas tão grandes quanto os do Norte e Nordeste.Eles também reivindicam medidas semelhantes. O entendimento é de que o decreto atende muito mais a bancada do Nordeste de forma geral do que o setor do agronegócio.

A rizicultura no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, avaliam eles, está em situação falimentar, assim como a pecuária de leite e a produção de café, recentemente atingida pelas geadas generalizadas.

A esses produtores, o decreto não atende e pode alimentar a pressão por uma renegociação mais ampla, que envolva não só regiões do País, mas os setores em crise.

Força

Na votação da reforma da Previdência na comissão especial, a bancada ruralista mostrou a sua força.

Conseguiu barrar o fim da isenção das exportações para o produtor rural, previsto na proposta original e no parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP), e a trava que impedia o perdão da dívida do Funrural, a contribuição previdenciária que é paga pelo produtor rural para ajudar a custear a aposentadoria dos trabalhadores.

Por Estadão Conteúdo

Posts relacionados

Governadores do Nordeste não aceitam acordo com União

Redação Remanso News

Verão deve ter chuva normal na maior parte do país, diz meteorologista

Redação Remanso News

INSS já cancelou 168 mil auxílios-doença após convocação de perícias

Redação Remanso News

Governo convoca 13 mil beneficiários do Bolsa Família por doação eleitoral

Redação Remanso News

Bancários rejeitam proposta de reajuste de 8,7% e greve continua

Redação Remanso News

Governo espera manter margem de votos para aprovar PEC 241 na Câmara

Redação Remanso News

Deixe um comentário