25.6 C
Remanso, BR
22 de abril de 2024
Remanso News
  • Home
  • Destaque
  • Butantan dá início aos testes clínicos da Butanvac, candidata a vacina brasileira contra a covid-19
Destaque

Butantan dá início aos testes clínicos da Butanvac, candidata a vacina brasileira contra a covid-19

RIBEIRÃO PRETO – O governador João Doria (PSDB) participou na manhã desta sexta-feira, 9, do início dos testes clínicos da Butanvac, no hemocentro do Hospital das Clínicas, na Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto. A Butanvac, produzida pelo Instituto Butantan, é uma das candidatas à vacina contra covid-19 com fabricação 100% nacional. No evento, Doria e Dimas Covas, diretor do Butantan, reforçaram a importância do produto para contribuir com a revacinação dos brasileiros em 2022.

Nesta sexta, ainda não houve aplicação de doses. Seis voluntários começaram a passar por exames para poder receber a Butanvac, que começa a ser aplicada em participantes dos ensaios clínicos nos próximos dias. Na quarta-feira, 7, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o início dessa etapa após o Butantan encaminhar novos documentos que a agência havia solicitado. Até o fim dos testes para a liberação da vacina, o número de voluntários deve ser dez vezes maior do que o atual.

Nesta primeira etapa, iniciada nesta sexta-feira, os voluntários serão divididos em quatro grupos. O grupo 1 será vacinado com um micrograma; três microgramas serão aplicados no grupo 2. Já o grupo 3 vai receber 10 microgramas. O quarto grupo é vacinado com placebo. Os voluntários não ficam sabendo em que grupo estão. A partir daí, passam a ser avaliadas a segurança da vacina e qual a dosagem do imunizante será incorporada à vacina definitiva.

Nas etapas seguintes, a Butanvac será avaliada em relação à resposta imune que produz. A previsão é que os estudos levem aproximadamente 17 semanas. Como o Estadão mostrou, o Butantan quer encurtar a fase três dos ensaios clínicos. A Anvisa, no entanto, afirma que ainda não há “consenso científico” sobre esse novo modelo.

A Butanvac pode ser a primeira vacina com princípio-ativo, o IFA, produzido no Brasil. Para a produção da Coronavac, por exemplo, esse componente precisa ser importado da China. Além de facilitar a produção no País, a novidade deve favorecer o menor custo de produção dessa vacina. O Butantan já tem 10 milhões de doses prontas em estoque.

Covas ainda voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro, que tem divulgado mentiras sobre a Coronavac, também produzida pelo Butantan. O diretor do instituto ressaltou estudos recentes, no Chile e na Turquia, que apontam para a a efetividade da Coronavac na população em geral. Já Doria comentou a pesquisa Datafolha divulgada na última quinta, 8, que aponta alta rejeição ao presidente da República. “Bolsonaro está recebendo o que merece: o desprezo da população brasileira”, disse.

Em até sete dias, saindo o resultado dos exames que começaram a ser realizados, os primeiros voluntários devem passar a ser vacinados. Rodrigo Calado, coordenador do estudo no HC explicou que o grupo inicial é de apenas seis voluntários por ser um estudo de segurança. “A gente faz seis; tudo bem com eles, a gente faz outros seis, depois mais seis. Correndo tudo bem nessas três etapas, vamos vacinar 400 de uma vez, completando a fase A”, esclareceu.

O pesquisador lembra que há um histórico, dentro do complexo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP, de estudo clínico de excelência e pesquisa médica, mas nada na proporção histórica dos testes iniciados hoje. Ele atribui a oportunidade do HC estar à frente dos testes com a Butanvac ao sucesso alcançado nos estudos com a vacinação em massa com a Coronavac no semestre passado em Serrana, que também integra o complexo do HC.

Após se obter, na fase A, definição da dose adequada, passam a ser vacinados 5 mil voluntários na fase B. Essa segunda fase vai ocorrer em Ribeirão Preto e em São Paulo, selecionando pessoas entre as mais de 90 mil que se inscreveram para participar. A segunda fase será um estudo cego envolvendo pessoas que já receberam outras vacinas, pessoas que já foram contaminadas e pessoas não vacinadas.

“Nós não vamos ficar quatro meses batendo na porta do ministério para comprar uma vacina para salvar o povo brasileiro. Nós teremos a oportunidade de disponibilizar a vacina para o povo brasileiro, diretamente pelo Instituto Butantan, e assim faremos. A capacidade de produção do Butantan será de um milhão de doses por dia. Teremos capacidade de atender toda a necessidade da produção brasileira para as doses de 2022 contra a covid-19 e a totalidade da população brasileira contra a gripe. Vamos também exportar para países latino-americanos que desejarem ter uma vacina eficaz, segura e mais barata do que as que estão sendo utilizadas neste ano”, afirmou Doria.

Posts relacionados

Especialistas defendem redução da vazão de Sobradinho como medida emergencial para crise hídrica no Vale do São Francisco

Redação Remanso News

‘O artigo 142 pode ser usado’, diz general Heleno sobre intervenção militar

Redação Remanso News

MP denuncia ex-diretores do Dnit e dos Correios por suposto prejuízo Eles são acusados de não cobrar multas de caminhões que trafegaram com excesso de peso pelas rodovias do país

Redação Remanso News

Governo decreta intervenção em fundo de pensão dos Correios

Redação Remanso News

Após chuva, vários caminhões ficam atolados na BR-324 trecho que liga Remanso-BA a Dirceu Arcoverde-PI

Redação Remanso News

Governo Federal pode adiar 3ª fase do Minha Casa Minha Vida

Redação Remanso News

Deixe um comentário