Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
25.7 C
Remanso, BR
7 de dezembro de 2019
Remanso News
  • Home
  • Destaque
  • Chesf anuncia fechamento de hospital em Paulo Afonso; MPF se manifesta
Destaque Geral

Chesf anuncia fechamento de hospital em Paulo Afonso; MPF se manifesta

O encerramento das atividades do Hospital Nair Alves de Souza (HNAS), em Paulo Afonso (BA), que atende também aos municípios de Glória, Rodelas, Abaré, Macururé, Chorrochó, Santa Brígida, Jeremoabo e Pedro Alexandre, anunciado pela Chesf, causou apreensão a população e provocou o MP.

A falta de repasses pelo município, que recebe recursos do Ministério da Saúde, seria o principal motivo apontado pela direção da Gestão Corporativa da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), que oficializou a comunicação a gestão municipal, a Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb) e ao Ministério Público Estadual e Federal.

No documento, a Chesf afirma que vem arcando com o custo da unidade, em cerca de R$ 50 milhões por ano e anunciou algumas medidas que seriam tomadas para reduzir as despesas com o hospital.

Segundo o comunicado, haverá o cancelamento de cirurgias eletivas; a partir de 1º de março, a urgência estará aberta das 7h às 19h; também a partir de março, não haverá atendimento de ortopedia e o número de postos médicos obstetras urgentistas será reduzido de dois para um; em seis meses, o número de leitos do HNAS será reduzido em até 60%; e até dezembro de 2020, com ou sem transferência definitiva da unidade hospitalar para Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), a Chesf vai se retirar da operação e da gestão do hospital.

A Companhia cobra da prefeitura de Paulo Afonso um débito de R$ 18.259.531, 79, relacionado ao hospital “valor histórico líquido e com base em dezembro de 2018”, diz a companhia. A dívida é referente ao contrato firmado entre a Chesf e o município em fevereiro de 2016, com duração de 12 meses, quando a unidade passou a oferecer exames e consultas em diversos procedimentos clínicos, mediante Coordenação da Secretaria Municipal de Saúde.

Após a celebração de dois aditivos, a vigência do contrato foi prorrogada, e encerra no próximo dia 2 de fevereiro.

A prefeitura rebateu as acusações, afirmando que a Chesf “é devedora do município em R$ 56.939.284, 16 referente a Imposto Sobre Serviço (ISS), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), taxa de fiscalização e funcionamento, licença ambiental, entre outras taxas”.

O município também esclareceu que Chesf e município estavam em um processo administrativo de compensação de débito, uma vez que o município deve à companhia cerca de R$ 18 milhões referentes aos serviços realizados no hospital, mas que a gestão municipal ainda teria um saldo em seu favor de mais de R$ 38 milhões.

A decisão da Chesf vem sendo considerada de unilateral, já que as medidas anunciadas pela companhia, descumpririam o que foi acordado desde 2015.

“A medida descumpre tudo aquilo que foi acordado desde 2015 e seguia ainda em 2018, inclusive com Termo de Compromisso formal, onde a Chesf se compromete em investir cerca de R$ 45 milhões na reforma e melhorias no HNAS, incluindo a implantação dos 30 leitos de UTI. Após esses investimentos, o termo assinado ainda prevê o repasse do Nair para a Univasf, que será gerido pela Ebserh. Essas reformas deveriam ser realizadas até dezembro de 2020”,  disse o secretário de saúde do município, Ivaldo Sales Júnior,

O gestor municipal também demostrou surpresa com a decisão da companhia.

“Ficamos sem entender o porquê do envio do ofício, uma vez que já tínhamos um Termo de Compromisso firmado. O documento faz acusações gravíssimas à Prefeitura que não são verídicas, imputado à gestão um débito que não existe. Essas são acusações muito sérias que não se pode falar levianamente. O HNAS é o suporte do serviço de saúde de uma região, atendendo milhares de pessoas”.

Após a repercussão do caso, a companhia emitiu um esclarecimento. “A Chesf não cogita encerrar as atividades do HNAS. Ao contrário, as medidas anunciadas pela Companhia Fazem parte de planejamento empresarial para transferência da gestão e operação do hospital à Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) e à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que deverá ocorrer até dezembro de 2020”, informa trecho da nota.

A empresa ressaltou que, “como empresa estatal de capital aberto, com a finalidade social de gerar, transmitir e comercializar energia elétrica, a Chesf não tem missão estatutária de prestar serviços públicos de atendimento médico-hospitalar”.

Tomando conhecimento do anúncio das medidas que causarão um impacto em toda região de Paulo Afonso, o procurador da República, Fernando Túlio Silva, enviou ofício a diretoria da Chesf, recomendando a suspensão do procedimento adotado pela empresa para encerrar ou diminuir a carga de atendimentos no hospital Nair Alves de Souza.

A recomendação não impede que o Ministério Público emita novas recomendações, mas a companhia terá um prazo de 10 dias para aceitar ou não o proposto pelo procurador.

BN

Posts relacionados

Mercadante consegue o (quase) impossível: unir Globo e Record

Redação Remanso News

Ministro cochila várias vezes durante discurso de Temer em Conferência

Redação Remanso News

Líderes de seita diziam que demônio ia colocar chip na cabeça das pessoas

Redação Remanso News

Desembargador do TJ nega execução de pena de ex-prefeito de Juazeiro

Redação Remanso News

Remanso: Professor fica entre os 10 selecionados para o Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física na Univasf

Redação Remanso News

Nova UBS da Vila Malvão “orgulho de ser Casanovense e poder servir ao meu povo”

Redação Remanso News

Deixe um comentário