Remanso, Sábado, 26 de Maio de 2018

Casa Nova é destaque no Programa Bioma Caatinga

Por Souza Filho
14/05/2018 12:28

Com o maior rebanho de caprinos e ovinos do Brasil (468.258 caprinos, ou 4,8% do total nacional, e 408.526 ovinos, ou 2,2% do total nacional), de acordo com o levantamento do IBGE em setembro de 2017, Casa Nova, a partir do Programa Bioma Caatinga, começa a agregar valor aos produtos da caprinovinocultura, integrando e estabelecendo uma relação de  parcerias entre Micro e Pequenas Empresas (MPEs) e produtores rurais, envolvendo quem produz, quem disponibiliza os insumos, quem processa, quem vende e quem compra, fortalecendo-os e tornando-os mais competitivos para o mercado.

Na última sexta-feira (11/05), aconteceu a solenidade de lançamento do terceiro ciclo do Programa Bioma Caatinga, no Grande Hotel de Juazeiro, com as presenças do Superintendente do Sebrae-BA, Jorge Khoury, do Ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, o gerente regional do Sebrae/Juazeiro, Carlos Rafael Cointeiro, prefeitos e representantes dos municípios de Curaçá, Uauá, Remanso, Casa Nova e Juazeiro.

Para José Carlos Borges, Secretário de Governo da Prefeitura de Casa Nova, representando o prefeito Wilker Torres, a importância do programa “é agregar valor ao produto da caprinovinocultura, rompendo um círculo que se repete há 500 anos. O produtor, o fornecedor de insumo e o supermercado se integram em uma cadeia produtiva, onde todos ganham. A qualidade melhora e quem ganha é o consumidor. O prefeito Wilker Torres apoia e incentiva o Programa Bioma Caatinga”.

Do município de Casa Nova, foram homenageados o produtor rural Gilberto Silva Xavier, os ADRs Veranildo Eleno Costa de Castro e Cátia Cilene, e Regivânia Dias da Silva, representando o supermercado Cestão do Povo. O Secretário de Governo, José Carlos Borges, em nome do prefeito Wilker Torres, entregou as placas.

O que é o Programa Bioma Caatinga

Durante a primeira etapa, de um ano, mais de mil produtores rurais de 325 comunidades e quase 200 micro e pequenas empresas foram acompanhadas por 44 profissionais, entre técnicos e engenheiros agrícolas, zootecnistas, e veterinários contratados para atuar nas áreas rurais e urbanas dos municípios de Curaçá, Uauá, Remanso, Casa Nova e Juazeiro, levando boas práticas de gestão, assistência técnica e ambiental, além de orientações sobre o manejo de rebanho, comercialização dos produtos e acesso a novos mercados consumidores.

Na segunda etapa, executada no período de abril/2016 a março/2017, o Programa atendeu 1.054 Produtores Rurais, 186 Micro e Pequenas Empresas (MPEs) e ainda foi possível estabelecer uma relação de parcerias entres produtores e MPES, envolvendo quem produz, quem disponibiliza os insumos, quem processa, quem vende e quem compra, fortalecendo-as e tornando-as mais competitivas para o mercado.

Nesta terceira etapa o objetivo é exercitar a forma mais competitiva de comercialização, colocando os produtores diretamente comercializando com açougues, mercadinhos e supermercados que comercializam os produtos de caprinos e ovinos.

“Com a efetivação do Programa Bioma Caatinga, através dessa parceria entre Sebrae, Banco do Brasil e Fundação Banco do Brasil, o caprino e ovino passaram a ser um produto de qualidade com sua carne sendo vendida nos pontos comerciais dos municípios atendidos pelo o programa. A expectativa nossa do momento é que a gente possa aumentar isso, fazendo com que a gente avança mais e diminua por exemplo, o tempo de cada processo desse, a ponto de poder, evidentemente, servir um produto aceitável a nível de qualidade e preço”, enfatizou o Superintendente do Sebrae-BA, Jorge Khoury.

O ciclo 3 do Bioma Caatinga terá um investimento de R$ 1.570.043,96 (Um milhão, quinhentos e setenta mil, quarenta e três reais e noventa e seis centavos), sendo que R$ 791.795,96 (Setecentos e noventa e um mil, setecentos e noventa e cinco reais e noventa e seis centavos) serão investimentos do Sebrae e R$ 778.248,00 (Setecentos e setenta e oito mil, duzentos e quarenta e oito reais) oriundos da Fundação Banco do Brasil.

ASCOM PMCN/Manoel Leão

DEIXE SEU COMENTÁRIO