24.1 C
Remanso, BR
5 de julho de 2020
Remanso News
  • Home
  • Destaque
  • Remédio para hepatite C inibe replicação de covid-19, aponta Fiocruz
Destaque

Remédio para hepatite C inibe replicação de covid-19, aponta Fiocruz

Mais um medicamento pode ser resposta promissora para o tratamento de infectados pelo novo coronavírus. Um estudo liderado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) identificou que medicamentos atualmente usados no tratamento da hepatite C inibem a replicação do vírus. Observando o efeito em células, os pesquisadores constataram efeitos positivos, além da redução de inflamação associada aos casos graves da doença. 

Na pesquisa, foram avaliados os antivirais daclastavir e sofosbuvir, ambos usados no tratamento de hepatite C. Ao fazer o uso fora da bula para tratar a covid-19, o grupo observou que a daclastavir impediu a produção de partículas virais infectivas em células pulmonares, hepáticas e renais. Além disso, o medicamento conseguiu bloquear a replicação do vírus. A produção de substâncias inflamatórias típica em pacientes graves também foi reduzida. A conclusão foi de que a daclastavir teve melhor efeito contra a covid do que o sofosbuvir, que também inibiu a replicação viral em menor escala. 

Os ensaios também compararam a ação com os efeitos de outros medicamentos. O daclastavir foi de 1,1 a 4 vezes mais eficiente do que a cloroquina e a combinação de lopinavir e ritonavir – fármacos que são alvo de ensaios clínicos para tratamento da Covid-19 – assim como a ribavirina, antiviral de amplo espectro usado em casos de hepatite
O próximo passo é conseguir enquadrar o medicamento entre as drogas testadas para os efeitos fora da bula e que tiveram ação de combate ao novo coronavírus. 

“O reposicionamento de medicamentos é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a maneira mais rápida de identificar candidatos ao tratamento da Covid-19. Considerando que os antivirais de ação direta contra o vírus da hepatite C estão entre os mais seguros, nossos resultados indicam que estes fármacos, em especial o daclastavir, são candidatos para a terapia, com potencial para ser imediatamente incorporados em ensaios clínicos”, explica o pesquisador e líder do estudo, Thiago Moreno. 
O estudo alerta, ainda, que, após aprovado, qualquer uso deve ser feito no âmbito experimental e com controle de médicos, já que a automedicação pode ter efeitos reversos. 
Com informações da Fiocruz.

Correio Braziliense

Posts relacionados

Plenário do TSE aprova calendário eleitoral das eleições de 2016

Redação Remanso News

Com Lula candidato, não há alternativa a não ser intervenção, diz general

Redação Remanso News

Confira quanto custa em media o kg da carne de caprinos e ovinos nos municípios de Remanso, Casa Nova, Juazeiro, Curaçá e Uauá.

Redação Remanso News

Câmara aprova PEC que viabiliza a prática da vaquejada

Redação Remanso News

Prefeitura de Remanso convoca servidores para Recadastramento

Redação Remanso News

Órgãos de administração prisional e socioeducativa devem oficializar até sexta-feira (27) participação de detentos no Enem

Redação Remanso News

Deixe um comentário