21.3 C
Remanso, BR
9 de agosto de 2020
Remanso News
  • Home
  • Bahia
  • Preço da carne vai recuar em 2020, mas será maior em setembro, dizem frigoríficos
Bahia

Preço da carne vai recuar em 2020, mas será maior em setembro, dizem frigoríficos

disse nesta terça-feira (10) que os preços da proteína em 2020 devem diminuir em relação a outubro e novembro, mas seguirão mais caros em relação ao período de janeiro e setembro.

“Eu acho que (na média) nós não vamos retroagir nos preços da arroba e nem no preço de carne”, disse o presidente da Abiec, Antônio Camardelli. “Não vai ficar nos patamares do momento de oscilação maior (outubro e novembro), mas não vai voltar aos preços ortodoxos de antes. Vai encontrar um ponto de equilíbrio”, completou.

A associação afirma que 25% da produção brasileira de carne bovina deste ano será vendida ao exterior, uma situação inédita no setor. A média histórica está entre 20% e 22%. Com o resultado, 75% do que foi produzido ficou no mercado interno, de acordo com o G1.

Com dados preliminares para dezembro, a venda de carne de boi para o exterior deve chegar a 1,82 milhão de toneladas, alta de 11,7% em relação a 2018. Em receita, o valor alcança US$ 7,45 bilhões (+13,3%).

As exportações para China subiram 39,5% até novembro, chegando a 410,4 mil toneladas contra 294,2 de 2018. Em valores, ficou 59,75% maior, saltando para US$ 2,17 bilhões contra US$ 1,36 bilhão do ano passado.

Para 2020, a estimativa do setor é que o ritmo de crescimento das exportações se mantenha e gere um novo recorde. A projeção é de que o volume negociado suba 13%, chegando 2,06 milhões de toneladas, com faturamento de US$ 8,5 bilhões (+15%).

A manutenção dos mercados atuais e aumento de vendas para a Rússia, Irã e abertura de novos mercados, como os Estados Unidos justificam essa expectativa.

A Abiec também informou como deverão ficar as cotas de importação de carne bovina do Brasil dentro do acordo entre União Europeia e Mercosul, anunciado em junho e que ainda aguarda aprovação dos parlamentos de todos os países envolvidos.

No pacto, o bloco sul-americano terá direito a exportar com taxação menor 99 mil toneladas de carne, sendo 55% resfriada e 45% congelada. Na divisão, o Brasil terá direito a exportar 42,5% da cota, na frente de Argentina (29,5%), Uruguai (21%) e Paraguai (7%).

BN

Posts relacionados

Governo estadual divulga tabela de pagamento do funcionalismo estadual para 2018

Redação Remanso News

Bahia tem 142 municípios com risco de surto de dengue, zika e chikungunya

Redação Remanso News

Campo Alegre de Lourdes: Zó afirma mais uma vez o seu compromisso de lutar pelo desenvolvimento regional

Redação Remanso News

Censo vai levantar demanda de formação de educadores e gestores da rede estadual

Redação Remanso News

Obras da Codevasf no semiárido baiano são inspecionadas por comissão técnica

Redação Remanso News

PCdoB se solidariza com Aladilce e contesta Dória

Redação Remanso News

Deixe um comentário