28.4 C
Remanso, BR
9 de agosto de 2020
Remanso News
  • Home
  • Brasil
  • STF decide que policial só pode lavrar flagrante de usuário de droga na ausência do juiz
Brasil

STF decide que policial só pode lavrar flagrante de usuário de droga na ausência do juiz

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a autoridade policial pode lavrar Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e requisitar exames e perícias em caso de flagrante de uso ou posse de entorpecentes para consumo próprio, desde que ausente a autoridade judicial. Por maioria de votos, o colegiado julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3807, ajuizada pela Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol-Brasil) contra dispositivos da Lei de Drogas (Lei 11.343/2006).

A associação argumentava, entre outros pontos, que a lei conferia aos juízes poderes inquisitivos, com violação dos princípios do contraditório e da ampla defesa, em confronto com as competências das Polícias Federal e Civil.

A maioria dos ministros acompanhou o voto da relatora, ministra Cármen Lúcia, que explicou que, de acordo com o parágrafo 3º do artigo 48 da Lei de Drogas, a autoridade policial, em relação a quem adquirir, guardar ou transportar droga para consumo pessoa, pode lavrar o flagrante e tomar as providências previstas na lei “se ausente a autoridade judicial”. Segundo a relatora, presume-se que, presente a autoridade judicial, cabe a ela a adoção dos procedimentos, até mesmo quanto à lavratura do termo circunstanciado. Em qualquer dos casos, é vedada a detenção do autor. Essa interpretação, a seu ver, é a que mais se amolda à finalidade dos dispositivos, que é a despenalização do usuário de drogas.


De acordo com o procedimento previsto na norma, o autor do crime deve ser encaminhado diretamente ao juízo competente, se disponível, para que ali seja lavrado o flagrante e requisitados os exames e perícias necessários. Esse procedimento, segundo a ministra, afasta a possibilidade de que o usuário de drogas seja preso em flagrante ou detido indevidamente pela autoridade policial. “As normas foram editadas em benefício do usuário de drogas, visando afastá-lo do ambiente policial quando possível e evitar que seja indevidamente detido pela autoridade policial”, destacou.

Com informações do Portal STF

Posts relacionados

Ex-diretor da Petrobrás afirma que Renan ficava com parte da propina

Redação Remanso News

Registrado primeiro medicamento à base de maconha no Brasil

Redação Remanso News

Forças Armadas vão reforçar segurança durante partidas olímpicas em Brasília

Redação Remanso News

Presidente do TSE afirma em processo que Lula está inelegível

Redação Remanso News

Vacinação contra a pólio começa em agosto

Redação Remanso News

Busca por novo recurso de voz do WhatsApp pode atrair cibercriminosos; conheça perigos

Redação Remanso News

Deixe um comentário